Food fairs in Turin

Sorry, this entry is only available in Italian.

I Agroecology Meeting of the S. Paulo State

The I Forum Paulista de Agroecologia [I Agroecology Meeting of the S. Paulo State] was held in Araras (S. Paulo), between October 13th and 14th, 2010. The main aim of the meeting was gather most of the representatives of those who are working with agroecology within the state, as well as exchange experiences and draw a path for future actions.

Mohamed Habib (IB/Unicamp) speaking, during the opening debate. Credit: Edemilson de França.
Mohamed Habib (IB/Unicamp) speaking, during the opening debate. Credit: Edemilson de França.

A debate between smallholder, university and government representatives opened the meeting. The second day was dedicated to workshop, both practical and aimed at experiences exchange. The last day has as main objective the organization of the next steps of the Articulação Paulista de Agroecologia, the state branch of the Articulação Nacional de Agroecologia.

During the second day I organized, together with José Maria G. Ferraz, a workshop about landraces, where two experiences were presented (the Feira de Troca de Sementes e Mudas Tradicionais das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira [Landrace Fair] and the work with landrace of the Associação das mulheres agroecológicas – AMA), and where the norms affecting landraces were presented and some proposal drawn.

More information about the meeting here (in Portuguese).

Contribuições à elaboração de projeto sobre agrofloresta

R: [rede_apa] Projeto APA 2010-2011

Caras/os,

Gostaria de contribuir também um pouco com o debate sobre o projeto da
chamada 33 do CNPq.

Sendo novo desta mailing list, me apresento brevemente: trabalho desde o
2004 no Brasil (antes no Baixo-Amazonas, Pará, agora em S. Paulo),
gerenciando projetos (elaboração, monitoramento e avaliação) e realizando
capacitações e estudos de viabilidade econômica, social e ambiental para
pequenos empreendimentos solidários. Se tivesse um jeito para conhecer um
pouco os outros integrantes da lista, seria muito feliz.

As chamadas mais apropriadas para o desenho de projeto que até agora
enxergo, são a 1 (Projetos de Pesquisa em Experiências Inovadoras no Ensino,
Aprendizagem e Intervenção em Extensão Rural, no âmbito da Agricultura e
Familiar em consonância com a Política Nacional de Ater) e 2 (Projetos de
inovação tecnológica que desenvolvam ações de experimentação, validação e
disponibilização de tecnologias apropriadas à agricultura familiar, as
propostas deverão promover a participação dos agricultores e agricultoras
familiares e a sustentabilidade de seus sistemas de produção…).

Depende um pouco de como se entende a “inovação tecnológica”: em sentido
amplo – portanto a “tecnologia social” faz parte – ou em sentido restrito,
mais técnico, mas a 2 seria a mais apropriada, na minha avaliação, pelos
objetivos que até agora foram apresentados.

Observação importante: a chamada 1 e 2 necessitam de um caráter
inter-estadual (cf. pontos II.2.1.3.2 e II.2.2.3.3).

Na linha do que foi falado até agora, acredito que o foco do projeto pode
ser “fortalecimento de relações justas produtores – consumidores, tendo como
protagonista os jovens”, tendo como objetivo/ meio o fortalecimento das
articulações estaduais (envolvendo duas, não mais) e da articulação
regional.

As principais ações poderiam ser:
a) o mapeamento;
b) capacitação de agentes comunitários de venda.

Algumas observações sobre estes dois pontos:
Mapeamento. Eu também fico um pouco preocupado com a presencia de vários
mapeamentos; eles são realizados, colocados na Internet, mas raramente
conseguem ter uma continuidade; portanto, muitas vezes as informações não
são completas, ou não são atualizadas. O mapeamento relacionado à este
projeto deveria ser um mapeamento temático, voltado aos produtos (ou seja,
uma plataforma de encontro entre oferta e demanda). Uma plataforma deste
tipo existe já, é o “Farejador da Economia Solidária”
(http://www.fbes.org.br); não sei porém quanto seja atualizado. Outra página
com este intuito está no site da Rede Ecovida, mas eu tentei e não encontrei
nada. No site www.prefiraorganicos.com.br S. Paulo não está presente, RJ com
41 pontos de venda de orgânicos, MG – ausente, ES – ausente; isto deve ser
um problema temporário, sendo que está começando a ser implementado; porém,
não dá para saber quais produtos estão presentes. Finalmente, o nosso
querido www.agroecologiaemrede.org.br, tem objetivo diferenciado, que é
mapear experiências agroecologicas, mas, evidentemente, é uma fonte
importante neste sentido.

Capacitação de agentes comunitários de venda. É basicamente a idéia de
capacitar jovens das comunidades para oferecer os produtos da comunidade nos
mercados locais.

Gostaria de concluir dizendo que o Convivium de Slow Food de S. Paulo
(http://www.slowfoodbrasil.com/) pode ter interesse em envolver a sua rede
de chefs de restaurantes nestas relações oferta – demanda.

Infelizmente não poderá estar no encontro do 11/11, mas, no que for
possível, posso contribuir na elaboração da proposta.

Por enquanto é tudo.
Abraços,
luca

° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° °
=> visite www.lucafanelli.net <=
luca fanelli
cell +55 11 8689 9196
email luca.fanelli@…
° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° ° °

Seminário Regional Sudeste de Construção do Conhecimento Agroecológico

Participação à este seminário.

Local: Auditório da Biblioteca Central (Abertura e apresentação de trabalhos)

Período: 13/10/2009 a 15/10/2009
Horário: 08:00 h
Público-Alvo: Produtores Rurais Quilombolas Indígenas Estudantes Técnicos Pesquisadores Professores
Coordenador: IVO JUCKSCH
Telefone de Contato: 3899 1075
Promoção:
DPS-DEPARTAMENTO DE SOLOS
Departamento de Educação
Associação Brasileira de Agroecologia
Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata – CTA-ZM